Menu
PT (BR)

Noruega faz com que Meta repense o rastreamento na União Europeia

Pontos principais:

  • O órgão regulador da Noruega baniu a publicidade comportamental no Instagram e no Facebook devido à ausência de um consentimento explícito dos usuários;
  • A Meta alterou a base legal de processamento de dados pessoais para “consentimento do usuário” na União Europeia;
  • Interromper o rastreamento online de usuários será um desafio financeiro e técnico para a Meta;
  • Se a pressão à Meta aumentar, existe a possibilidade de que a empresa pare de operar na UE.

O que aconteceu

A Meta, dona do Facebook e do Instagram, está com problemas na Noruega. Em 17 de julho, a Autoridade de Proteção de Dados Norueguesa exigiu que a Meta parasse de mostrar anúncios personalizados para os seus usuários no país com base em seu comportamento online. A autoridade alegou que a Meta está quebrando a lei ao vigiar e criar perfis de usuários sem o seu consentimento explícito, e impôs um ban temporário de três meses à propaganda comportamental em ambas as plataformas. O bloqueio teve início em 4 de agosto e vai durar até outubro. A Meta pode enfrentar uma multa de US$100.000 se não cumprir as exigências e mudar suas práticas de coleta de dados.

Mas o que exatamente é a “publicidade comportamental”? Trata-se de um tipo de publicidade que usa dados pessoais para mostrar anúncios super relevantes baseados em seus interesses e preferências. A Meta coleta estes dados através do monitoramento de sua atividade online, posts de redes sociais, histórico de pesquisa e dados de localização. O problema é que todos estes dados são coletados sem a sua permissão direta, o que significa que você normalmente não sabe quando suas informações pessoais são coletadas e para que finalidade.

Por que a Noruega tem a Meta como alvo agora?

Para um observador mais desatento, a decisão do DPA norueguês de perseguir a prática de publicidade da Meta que já está vigente à tanto tempo pode parecer completamente aleatória. Mas não é bem assim. A ordem apareceu logo após uma decisão da Côrte de Justiça Europeia (em 4 de julho), que afirmou que a Meta não pode usar “interesses legítimos” como base legal para o processamento de dados para anúncios personalizados.

Apenas nesse ano, a Meta já alterou a base legal de processamento de dados de usuários na União Europeia várias vezes. Até abril, a Meta afirmava que sua base legal era “necessidade contratual” de coleta de dados de usuários.

Após a European Data Protection Board (EDPD) ter descoberto que “a publicidade não é necessária para a performance do Facebook e do Instagram,” a Meta mudou a base legal para “interesses legítimos.” No entanto, a decisão de 4 de julho colocou isso em cheque também. Por não ter mais opções, em 1 de agosto a Meta alterou sua base legal mais uma vez, dessa vez finalmente alegando “consentimento do usuário.”

Em teoria, isso quer dizer que a Meta terá que pedir diretamente aos usuários pelo consentimento à publicidade direcionada antes que os dados sejam coletados com este propósito. O Wall Street Journal informou que a Meta ofereceu aos reguladores da UE uma limitação nos anúncios comportamentais estritamente para usuários que optassem por isso.

No entanto, ainda há muitas incertezas com relação a como exatamente a Meta vem pedindo consentimento e se haverá algo obscuro no novo processo. Em resumo, ainda é cedo para comemorar.

A decisão da Meta de mudar a base legal para o seu processamento de dados já gerou uma reação da agência de privacidade norueguesa, que a vê como uma vitória de sua campanha contra o rastreamento online. “Por mais que a Meta afirme que se trata de uma mudança voluntária, isso não é muito convincente,” disse Tobias Judin, porta-voz da agência, ao The Wired. Ele deixou um aviso, no entanto, de que a Meta ainda pode tentar enganar os usuários para tentar conseguir o seu consentimento para este tipo de rastreamento.

O potencial impacto do ban norueguês

A decisão do DPA norueguês não quer dizer que a Meta ou o Instagram estejam com os dias contados na Noruega. Ela também não significa que eles não podem mostrar anúncios personalizados aos seus usuários. O que isso de fato significa é que a Meta será obrigada a a respeitar a escolha e a preferência dos usuários sobre como os seus dados serão usados e compartilhados. A Meta ainda pode continuar a mostrar anúncios direcionados com base nas informações que os usuários compartilham por vontade própria, como detalhes de bios, incluindo idade, gênero, localização e interesses. Além disso, se a Meta conseguir provar que obteve consentimento válido de usuários para coletar seus dados para a publicidade direcionada, ela é livre para seguir com suas práticas.

O órgão regulador norueguês indicou que planeja levar a questão para a EDBP após o fim de agosto. O EDPB é um grupo de autoridades em proteção de dados de todos os países da União Europeia, Noruega, Liechtenstein e Islândia. Eles poderão decidir estender o ban à publicidade comportamental da Meta para além da Noruega. Se isso acontecer, pode haver um impacto significativo na Meta, que é extremamente dependente da receita proveniente de anúncios.

Opções para a Meta: adaptação ao ban

A Meta certamente tem a habilidade de adaptar e conter o rastreamento baseado em localização. Mas há um problema: isso pode custar caro para a empresa de Mark Zuckerberg. Como alternativa, ela pode optar por uma estratégia muito mais simples, já adotada em seu novo app, o Threads: impedir que os noruegueses acessem o Facebook e o Instagram de uma vez por todas, mesmo através de uma VPN.

Se a Meta decidir adaptar o ban ao invés de desistir do mercado norueguês, haverá várias opções. Entre elas, está a coleta de dados de usuários noruegueses que optarem por isso, o fim da coleta de dados na Noruega de uma vez por todas ou a interrupção da veiculação de anúncios no país.

De um ponto de vista técnico, a última opção é a mais fácil de implementar. Impedir que anúncios sejam mostrados para pessoas de um país específico é uma tarefa tecnicamente simples e que poderia ser implementada muito rapidamente. Por outro lado, é muito difícil interromper a coleta de informações para o rastreamento comportamental. Isso ocorre porque esta funcionalidade é uma parte “nativa” das plataformas da Meta e não se pode simplesmente desligá-la.. Cada interação dentro do aplicativo dos usuários é rastreada e analisada para se tornar parte de seu perfil. Em outras palavras, a Meta construiu os seus aplicativos e sites de modo a sempre coletar seus dados, independentemente do que faça. Além disso, mesmo que você não use os aplicativos da Meta, como o Facebook ou o Instagram, a empresa ainda sim pode coletar seus dados através de outros aplicativos que utilizam as ferramentas da app. Aproximadamente 40% dos aplicativos gratuitos da Google Play Store compartilha dados com a Meta via Facebook Software Development Kit (SDK).

Tendo em conta tudo isso, podemos até pensar que as tentativas da Meta de aceitar o ban sejam honestas e, possivelmente, a forma mais simples de fazer isso seja simplesmente bloquear solicitações da Noruega relacionadas à publicidade e ao rastreamento. Na prática, isso significa que, se você usar um app ou site que utilize o SDK da Meta na Noruega, a Meta não receberá ou enviará qualquer informação de seu dispositivo. Isso pode resultar em algumas no mau funcionamento de algumas funcionalidades dos apps e websites da Meta no país. Por exemplo, você pode não ver algumas recomendações ou sugestões baseadas em seu comportamento online.

Se a Meta seguir este caminho, ela estará fazendo algo muito parecido com o que os bloqueadores de anúncios já fazem, impedindo que aplicativos e sites enviem ou recebam informações relacionadas a anúncios ou rastreamento de seu dispositivo.

Por que a Noruega está liderando a defesa à privacidade de dados?

Não é comum que a Noruega assuma a vanguarda de questões envolvendo privacidade na Europa. Estamos mais acostumados a ver a França, a Alemanha e a Irlanda, sede do órgão regulador de privacidade líder na UE, confrontando os gigantes da tecnologia. No entanto isso não deveria causar nenhuma surpresa: a Noruega, que faz parte da União Europeia mas mesmo assim está sujeita ao GDPR, vem se destacando como uma nação pró privacidade. A grande maioria dos noruegueses parece estar ciente de seus direitos ligados à privacidade. Em junho de 2018, mais de 82% dos noruegueses haviam ouvido falar do GDPR, e mais da medade reportou o recebimento de emails pedindo pelo consentimento de plataformas que eles sequer conheciam ou sabiam ter acesso aos seus dados. De acordo com a pesquisa de privacidade de 2019/2020 do DPA norueguês, 83% dos noruegueses estavam preocupados de alguma forma com a sua privacidade. Quase 7 em cada 10 entrevistados disseram ter pouco controle sobre a forma como suas informações pessoais são armazenadas e utilizadas online e 6 em cada 10 afirmaram se sentir impotentes quando se trata de obter o controle de seus dados na internet.

Estas fortes atitudes a favor da privacidade são refletidas em nossos dados. De acordo com o nosso relatório de 2023 sobre o estado do rastreamento através de anúncios ao redor do mundo, o norte europeu desfruta de uma ambiente online que é significativamente menos poluído do que o resto do continente. Nossos dados indicam que os Noruegueses se deparam em média com 20% menos rastreadores do que a média europeia. Tecnicamente, o motivo para isso é que aplicativos e sites locais não são tão agressivos ao rastrear usuários. Isso fica óbvio quando comparamos grandes sites de notícias norueguesas como o vg.no com outros sites da mídia ao redor do mundo. Por exemplo, ao usar o AdGuard no vg.no, nós descobrimos que apenas 5 solicitações foram bloqueadas, enquanto no The Guardian a contagem ultrapassou as 20 solicitações. Vale notar, no entanto, que o número de rastreadores bloqueados em um mesmo site pode variar e este valor depende também das configurações de seu bloqueador de anúncios.

Um olhar para o futuro

Com uma visão mais panorâmica da situação, a decisão do órgão regulador norueguês mostra que a tendência de confrontar o rastreamento comportamental para fins publicitários está ganhando espaço, ao menos na Europa. Até agora, a Meta, diferentemente de outros concorrentes (como o Google e a sua Privacy Sandbox) mostrou-se mais interessada em lutar contra as leis de privacidade em vez de se adaptar a esta tendência. Esta pode ser a última oportunidade para que ela mude suas práticas de forma sincera.

No entanto, se a Meta não revisar sua política de coleta de dados no futuro próximo, e não somente no papel, mas na realidade, ela pode ter que parar de operar na União Europeia mais cedo ou mais tarde.

Gostou deste post?

AdGuard para Windows

AdGuard para Windows é mais do que um bloqueador de anúncios. É uma ferramenta multiusos que bloqueia anúncios, controla o acesso a sites perigosos, acelera o carregamento de páginas e protege as crianças de conteúdos impróprios.
Revisões: 14301
4,7 de 5
Ao baixar o programa, você aceita os termos do Contrato de licença
Leia mais

AdGuard para Mac

Ao contrário de outros bloqueadores de anúncios, o AdGuard foi projetado pensando nas especificações do macOS. Não só fornece defesa contra anúncios no Safari e outros navegadores, mas também lhe protege contra rastreamento, phishing e fraudes.
Revisões: 14301
4,7 de 5
Ao baixar o programa, você aceita os termos do Contrato de licença
Leia mais

AdGuard para Android

AdGuard para Android é a solução ideal para dispositivos móveis Android. Ao contrario dos outros bloqueadores de anúncios, o AdGuard não requer acesso ao usuário root e oferece uma ampla gama de recursos: filtragem em aplicativos, gerenciamento de aplicativos e muito mais.
Revisões: 14301
4,7 de 5
Ao baixar o programa, você aceita os termos do Contrato de licença

AdGuard para iOS

O bloqueador de anúncios mais avançado para o Safari: faz esquecer os anúncios pop-up, acelera o carregamento de páginas, e protege os seus dados pessoais. Uma ferramenta manual de bloqueio de elementos e configurações altamente personalizáveis ajudam-no a adaptar a filtragem às suas necessidades exactas.
Revisões: 14301
4,7 de 5
Ao baixar o programa, você aceita os termos do Contrato de licença

Extensão de navegador AdGuard

O AdGuard tem a extensão de bloqueio de anúncios mais leve, rápida e que efetivamente bloqueia todos os tipos de anúncios em todas as páginas da internet! Escolha o AdGuard para o navegador que você usa e obtenha uma navegação gratuita, rápida e segura.
Revisões: 14301
4,7 de 5

AdGuard para Safari

As extensões de bloqueio de anúncios para o Safari estão enfrentando dificuldades desde que a Apple começou a forçar o uso do novo SDK para todos. A extensão AdGuard deve trazer de volta a alta qualidade de bloqueio de anúncio para o Safari.
Revisões: 14301
4,7 de 5
App Store
Baixar
Ao baixar o programa, você aceita os termos do Contrato de licença

AdGuard Home

O AdGuard Home é um servidor de DNS para bloqueio de anúncios e rastreamento em toda a rede. Depois de configurá-lo, ele abrange TODOS os seus dispositivos domésticos e você não irá precisar de nenhum programa instalado. Com o surgimento da Internet das coisas e dispositivos conectados, torna-se cada vez mais importante poder controlar toda a sua rede.
Revisões: 14301
4,7 de 5

Bloqueador de conteúdo do AdGuard

O Bloqueador de Conteúdo do AdGuard elimina todos os anúncios em navegadores para dispositivos móveis que ofereçem suporte a tecnologia para bloqueio de conteúdo — ou seja Samsung Internet e Yandex Browser. Embora seja mais limitado do que o AdGuard para Android, ele é gratuito, fácil de instalar e ainda oferece alta qualidade de bloqueio de anúncios.
Revisões: 14301
4,7 de 5
Ao baixar o programa, você aceita os termos do Contrato de licença
Leia mais

Assistente do AdGuard

Uma extensão complementar para o AdGuard aplicativos para computador. Oferece acesso no navegador a funcionalidades tais como bloqueio de elementos personalizados, lista de permissões ou envio de um relatório de erro.
Revisões: 14301
4,7 de 5
Assistente para Chrome Este é o seu navegador atual?
Instalar
Ao baixar o programa, você aceita os termos do Contrato de licença
Assistente para Firefox Este é o seu navegador atual?
Instalar
Ao baixar o programa, você aceita os termos do Contrato de licença
Assistente para Edge Este é o seu navegador atual?
Instalar
Ao baixar o programa, você aceita os termos do Contrato de licença
Assistente para Opera Este é o seu navegador atual?
Instalar
Ao baixar o programa, você aceita os termos do Contrato de licença
Assistente para Yandex Este é o seu navegador atual?
Instalar
Ao baixar o programa, você aceita os termos do Contrato de licença
Assistente para Safari Este é o seu navegador atual?
Se você não sabe qual é o seu navegador, tente a antiga versão antiga do Assistente, que você pode encontrar nas configurações da extensão do AdGuard.

AdGuard Temp Mail β

Um gerador de endereços de e-mail temporário gratuito que mantém você anônimo e protege sua privacidade. Nada de spam na sua caixa de entrada principal!
Revisões: 14301
4,7 de 5

AdGuard para Android TV

O AdGuard para Android TV é o único aplicativo que bloqueia anúncios, protege sua privacidade e atua como firewall na sua Smart TV. Receba avisos sobre ameaças da Web, use DNS seguro e aproveite o tráfego criptografado. Relaxe e assista suas séries favoritas com segurança de alto nível e zero anúncios!
Revisões: 14301
4,7 de 5
Baixando o AdGuard Clique no botão indicado pela seta para iniciar a instalação Selecione "Abrir" e clique em "OK", e então aguarde o download do arquivo. Na janela aberta, arraste o ícone do AdGuard para a pasta "Aplicativos". Obrigado por escolher o AdGuard! Selecione "Abrir" e clique em "OK", depois aguarde o download do arquivo ser finalizado. Na janela aberta, clique em "Instalar". Obrigado por escolher o AdGuard!
Instale o AdGuard no seu dispositivo móvel